Livro escolar defende os erros de concordância

 

Obra didática comprada pelo MEC para 4.236 escolas públicas do País dispensa a conjugação de verbos e considera certas expressões como “nós pega o peixe”

POR MARIA LUISA BARROS – O DIA ONLINE

Rio – Um livro de Português distribuído pelo Ministério da Educação (MEC) está ensinando estudantes a falar errado, sem obedecer às regras de concordância verbal. O exemplar ‘Por uma vida melhor’, da coleção Viver e Aprender foi adotado este ano por 4.236 escolas públicas em todo o País. Nele, os 484.195 alunos do Ensino Fundamental (6º ao 9º ano) do EJA (Educação de Jovens e Adultos) aprendem que podem usar expressões populares, tais como “nós pega o peixe”. Segundo o MEC, o título é usado em escolas públicas fluminenses.
A informação foi revelada pelo site iG. Os autores do livro defendem o uso da “norma popular da Língua Portuguesa”, no lugar da norma culta. Heloísa Ramos, uma das escritoras, explica que as frases também podem ser ditas da seguinte forma: “Os livro ilustrado mais interessante estão emprestado”.

Segundo ela, basta que o artigo “os” esteja no plural para indicar mais de um referente. “A língua portuguesa admite esta construção”, garante a autora, advertindo, no entanto, que dependendo da situação, o aluno corre o risco de ser vítima de preconceito linguístico.
Em nota, o MEC afirmou que o livro atende à ‘Matriz de Competências do Exame Nacional de Certificação de Jovens e Adultos’. Entre elas, a de reconhecer e valorizar a linguagem de seu grupo social e as diferentes variedades da língua portuguesa, procurando combater o preconceito linguístico. O volume da editora Global foi aprovado pelo MEC por meio do Programa Nacional do Livro Didático. De acordo com a Secretaria Municipal de Educação do Rio, o exemplar não foi escolhido pelas escolas da rede. O Ministério não informou quais municípios do Rio adotaram a obra.

Efeito inverso ao propagado

Apesar de o governo propagar o uso da fala popular contra o preconceito, educadores alertam que a prática pode ter efeito inverso. “A sociedade não aceita a norma popular. O aluno que não aprende o certo será ridicularizado e vai virar motivo de chacota”, alerta Alzira Batalha, professora da Faculdade de Educação da Uerj na Baixada.
De acordo com o MEC, a escola que oferece a modalidade de Educação de Jovens e Adultos deve propiciar aos alunos um ambiente acolhedor no qual suas variedades linguísticas sejam valorizadas e respeitadas: “Dessa forma, eles terão segurança para expressar a sua voz”.
Para a educadora, livros como esse reforçam a exclusão social. “Nenhuma empresa vai contratar um funcionário que não souber falar corretamente. Ele vai continuar sendo discriminado como tem sido até hoje”, avisa Alzira.

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s